Eleições 2022 - Estratégias

Bom dia a todos,

Desde a virada de ano venho pensando em aumentar minha alocação em renda fixa para o ano de 2022.
Gostaria de saber para quem tem mais experiencia em RV qual será a estrategia adotada.
Na ultima eleição eu tinha praticamente 35% em RV, hoje tenho 99%.
Pretendo virar o ano com no maximo 50% de RV (depende de quando considerar minhas ações caras para o curto prazo).

4 Curtidas

Acredito que nao teremos surpresas, se o candidato for o Lula pela esquerda, o mercado já conhece ele. E acredito que seja uma gestão mais conservadora em relação aos gastos, já tem alguns videos de gestores grandes no mercado sobre isso no YouTube.

1 Curtida

Desculpe, @luizyzef, tomei a liberdade de alterar o título, pois você colocou 2021 e não 2022, como imaginei que você gostaria pelo conteúdo da mensagem.

Tenho pensado muito sobre isso, tomo a eleição do Lula como fato consumado. Isso porém só causará um prejuízo imediato se ele conseguir passar PECs derrubando barreiras fiscais importantes, a chance disso acontecer é remota. Mas algumas devem cair, a tendência é que não seja uma mudança drástica. Ainda temos que levar em conta que o Brasil está iniciando um novo ciclo econômico, que pode ser proveitoso e servir de contrapeso ao aumento do aparato que o PT promove conforme nos demonstra seus antigos mandatos.

Hoje estou aproximadamente com 76% em ações BR, 21% em ouro e 3% em caixa. Como governos populares tendem a se manter mais facilmente no poder, enxergo boa cautela em reduzir ações brasileiras. Um nível confortável para mim seria 50%. Quanto aos demais ativos, minha preferência é manter dolarizados, seja via ouro ou BDRs, com exceção da pequena parcela do caixa, obviamente.

Mas não pretendo fazer essa transição logo na eleição do Lula em 2022, mas ao longo do seu mandato, onde as coisas tendem a correr muito bem e o mercado estará em euforia com um bom ciclo econômico. Temos que acompanhar atentamente os gastos do governo neste período. Lá para 2026 pretendo chegar a este patamar. A partir daí é um pouco longe para fazer planos.

8 Curtidas

A minha estratégia para o ano das eleições é aumentar consideravelmente minha posição em caixa até no máximo Jan/21 e ficar atento às oportunidades que podem ser gerados no próprio ano da eleição.

Ainda não bolei nenhuma estratégia com opções, mas muito provavelmente irei utilizar alguma venda de put ou trava.

2 Curtidas

Hoje minha carteira é composta de 80% em ações brasileiras, 15% em ETFs internacionais e 5% em fundos imobiliários.

Considerando a minha experiência em 2018, o meu foco será comprar títulos de renda fixa, diminuindo a minha posição em Bolsa Brasileira. Em 2018 ganhei muito dinheiro comprando tesouro IPCA, e, depois vendendo no ano seguinte ao da eleição.

Mesmo que esse cenário não se repita, migrarei uma parcela significativa da bolsa brasileira para renda fixa e ETFs estrangeiros, de modo que minha posição em ações não seja superior a 50% do meu patrimônio.

Eu tenho feito a migração desde o início do ano, limitando-se aos 20k isentos ao mês.

3 Curtidas

@sr_fouquet, mas você acha que o mercado já precifica Lula presidente?

2 Curtidas

Não, não precifica, vamos ter o mesmo terremoto nas ações e na curva de juros, é uma boa hora para comprar títulos como o @d4em0n disse, mas isso depois estabiliza.

2 Curtidas

eu tenho no momento 15% em caixa e pretendo ter uns 30% pelo menos até dez/2021. Venho realizando uns lucros, principalmente em estatais, se o lula ganhar acredito que elas devam desabar. E mais pra frente comprar puts fora do dinheiro como seguro.

2 Curtidas

@sr_fouquet obrigado pela correção e pelas palavras.
Realmente o mercado já deve estar no meio do caminho de uma precificação de governo de esquerda + tributação de dividendos.

2 Curtidas

Eu acho que não é possivel cravar ainda que um terceiro nome “de centro” não chegue ao segundo turno.
Acho que Bolsonaro tem boas chances de ficar de fora com rejeição crescente e a esquerda e a mídia batendo todo dia (imagina como vai estar ano que vem, país vai estar fervendo).
Se for Lula e um terceiro “de centro” para o segundo turno, provavelmente Lula perderá pela rejeição, maioria dos bolsonaristas ficarão do lado deste terceiro e muitos vão votar em “qualquer um menos da esquerda”.
Vou reduzir ações com beta alto e aportar em cdb/ renda fixa e acho que até fundo cambial. e mantenho açoes exportadoras (vale, frigorificos, celulose)…

2 Curtidas