Imposto de Renda


#41

Outra fonte de informação é o tradicional “Perguntão” elaborado pela Receita. A versão pertinente à declaração de 2019 (ano calendário 2018) ainda não está disponível, mas é possível consultar o do ano passado no link http://receita.economia.gov.br/interface/cidadao/irpf/2019/perguntao

Além disso, para quem tem Instagram, sugiro seguir o perfil @contadoradabolsa Em geral, as dúvidas que ela responde são bem básicas, mas pode ajudar.

[ ]'s a todos
Cuervo


#42

Ah, sim. Eu me referia ao demonstrativo de renda variável. Mas tem que lançar em rendimentos isentos, concordo.


#43

Isso é para ações.

Minha dúvida é ETF, ETF não tem isenção para alienação inferior a 20k.


#44

Boa a tarde
Estou com uma dúvida na declaração DO IR:

Tive um prejuízo em dezembro de 2018 , vi que tenho lançar no formulário de ajuste da declaração - RENDA VARIÁVEL - no més de DEZ e inserir o valor do prejuízo com o sinal (menos) ex. -200. ok até aqui…
a minha DÚVIDA:
Tenho que lançar este prejuízo la´BENS E DIREITOS também ou não precisa?


#45

Não precisa


#46

Obrigado Cadu…


#47

Uma coisa que estou vendo é dividendos e juros anunciados e NÃO pagos no ano de 2018 - Uns dizem que tem lançar tudo em 2018 - os que efetivamente foram creditados com os que ainda não e lançar na ficha bens e direitos os div e juros que ainda não foram creditados.
outros dizem que o lançamento total nas respectivas fichas pra dividendos e juros entra apenas os que de fato foram creditados e pronto…
Como vocês fazem?


#48

Eu só lanço os que já foram creditados na conta.
Os que tenho direito a receber, mas não foram depositados em 2018, eu não declaro.


#49

Ano passado tive a mesma dúvida, quiser dar uma olhada na discussão segue o link

Que eu saiba não existe nenhum procedimento oficial da receita o que complica tudo dai vira uma confusão mesmo hahaha. As empresas podiam anunciar e pagar dentro do ano, esse negocio de deixar pro próximo ano só complica. A Sanepar é mais sacana ainda e coloca a data de pagamento surpresa hahaha.


#50

Deixa eu tirar uma dúvida simples.
Em 2017 vocês tinham declarado por exemplo 200 TAEE11 na corretora XP, em 2018 vocês transferiram para Mirae e compraram mais 200 ações, nesse caso vocês só editam a descrição e situação em 31/12/2018?


#51

Exatamente.
Mas em bens e direitos vc coloca o saldo livre na data de 31/12/18 na Mirae, bem como os dados da sua nova conta.


#52

@cadu, JCP você também declara assim, só os que foram efetivamente pagos?

Lendo a respeito novamente ficou a dúvida e como sou meticuloso com a declaração não consigo ficar sossegado enquanto não entender completamente (mesmo tendo certeza que a receita nem ligaria pra minha mixaria, mas melhor fazer certo desde agora).
No tópico do ano passado que citei acima, a primeira parte entendi perfeitamente, mas na segunda parte foi falado que eu teria que cadastrar novamente o JCP neste ano, mas não ficaria duplicado? E este valor não ficaria sem uma correspondência nos Bens e Direitos deste ano?

Na declaração 2017/2018

Declarei normalmente em Tributação Exclusiva/Definitiva (cod 10)
Lança em Bens e Direitos JCP creditados e não pagos (cod 99)

Na declaração 2018/2019

Em Bens e Direitos na situação em 31/12/2018 coloco R$ 0,00.
E declaro o valor recebido nos rendimentos sujeito a tributação exclusiva / definitiva


#53

Mesma forma, só os que já foram pagos.


#54

Mas e a instrução normativa 41/1998, a culpada por todo esse rolo?

Art. 3o Na hipótese de beneficiário pessoa física, o valor líquido dos juros creditados ou pagos deve ser incluído na declaração de rendimentos, correspondente ao ano-calendário do crédito ou pagamento, como rendimento tributado exclusivamente na fonte.

Parágrafo único. O valor líquido dos juros, creditado à pessoa física, mas não pago até o dia 31 de dezembro do ano do crédito, deverá ser informado, na sua declaração de bens, como direito de crédito contra a pessoa jurídica.


#55

No primeiro texto diz que só deve declarar o valor já pago, e no segundo diz que tem de declarar os créditos se não tiver sido pago. E tem outros ptos onde a receita tb se contradiz, ou não é clara o suficiente.

Entendo que vc tem o básico que não tem como escapar na declaração, informar em bens e direitos as ações, e na renda variável as movimentações mensais.

Fora disso vejo o resto como uma zona cinzenta, onde tem diversos caminhos para optar. O principal é escolher uma linha e seguir esta, e já pensar que se for chamado para prestar contas na receita, vc ter como se justificar. Por conta disso opto pela linha mais simples possível.

A receita tem como descobrir facilmente se vc vendeu em ações mais de 20k no mês, e também as vendas de Fiis. Acredito que a maioria que caiu na malha fina por conta da renda variável tenha sido por não informar estas movimentações.


#56

É um bom ponto. Eu vou continuar a seguir a linha do ano passado e declarar em bens em direitos os creditados e não pagos e no próximo ano só zerar os bens e direitos. Acho que não vou duplicar na Tributação Exclusiva o que lancei ano passado.

Vi comentários nesse mundão da internet falando que na declaração pré-preenchida vem esses creditados e não-pagos declarados, alguém utiliza esse recurso e ocorreu esse tipo de JCP pra confirmar?


#57

Bom dia, segue site com lista de CNPJs das empresas.

Mas lembre-se é sempre bom confirmar os dados. Espero que ajude os colegas.


#58

Aqui tem umas informações boas para declaração de IR.

https://www.investimentonabolsa.com/2014/04/nao-deixe-de-declarar-suas-operacoes-na.html


#59

Na verdade não precisa declarar novamente em Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva no IR 2018/2019. Basta dar baixa no valor lançado em Bens e Direitos e pronto.


#60

Fiquei com uma dúvida, vendi 19k de ações se eu vender FIIs perco essa isenção ?