Setorial - Bancos

Bancos listados na B3:

1. Tradicionais

Caixa Econômica Federal não é listada em bolsa.

2. Regionais

3. Demais

2 Curtidas

Visão da Brasil Capital sobre o impacto das fintechs e afins nos tradicionais “bancões”: LINK

4 Curtidas

Legal o artigo, acho que tenta chegar num meio termo entre as coisas. Pessoalmente, vejo com bastante ceticismo. Um banco vive antes de mais nada da capacidade de oferecer crédito e, em seguida, diluir todas as suas despesas com serviços. Se um banco digital corta os serviços e não é capaz de diminuir as despesas, precisa ser muito bom em oferecer crédito, e não é o que estamos vendo. O BPAN é o único que está melhor nesse caso, mas não é fintech propriamente, tem um monte de correspondentes. Focar só na captação é um erro, é o que um banco pode menos controlar. Você pega o Inter e toda a estrutura deles é depósito a vista, pode soar interessante, mas é frágil e ainda tem os compulsórios não remunerados, que pode não parecer muito com juros a 5-5,5%, mas vira um atraso em qualquer outro cenário. Itau, BB, Bradesco, todos passaram por hiperinflação, troca de moedas, câmbio-fixo, Dilma etc. Dos digitais, nenhum foi posto a prova.

4 Curtidas

Pois é…

Que a vida dos bancões mudou, não há como negar, mas não vejo uma disrupção brutal como houve no mercado de adquirência.

O movimento é bem mais lento e vai dar tempo deles se adequarem e o mercado se assentar.
As margens serão impactadas de alguma forma, mas nada que os tire do jogo.

A carta da Brasil Capital mostra todo esse movimento muito bem.

Sigo comprado em ITSA… :blush:

1 Curtida

Prezados,

Aproveito o ensejo deste tópico para questionar.
Por qual motivo os spreads bancários no Brasil são o 2o. maior do mundo? Seriam motivantes as altas taxas de inadimplência, impostos e os compulsórios ? Posto que tudo isso entra na conta do spread.

1 Curtida

Eu acho que o maior driver é a inadimplência.

Tanto que, mesmo com a acentuada queda da SELIC, ainda vemos taxas muito altas nas modalidades de crédito de mais alto risco para o credor, como cheque especial e rotativo do cartão de crédito.

2 Curtidas

Sim, complicado isso…eu trabalho com recuperação judicial de crédito e a legislação e a cultura dos magistrados são majoritariamente em prol do devedor, o que tem de processo encerrado por não localização de bens ou ativos financeiros é brincadeira.

3 Curtidas

Concordo que seja a inadimplência aliada a baixa recuperação de crédito, e como isso implica em maior risco, o lucro embutido também vai ser maior. Carga tributária também é um fator preponderante. E mais estrutural, sobre tudo isso, a Selic está diretamente correlacionada ao spread.

Os compulsórios hoje no BR já não são tão altos como antigamente, e há vários limites de isenção que beneficiam os bancos, não acho que seja um fator muito importante. Até mesmo considerando as diversas formas de captação que estão disponíveis.

2 Curtidas

Some aos argumentos apresentados a baixissima taxa de poupança do brasileiro. Quanto menos dinheiro disponível para emprestimo, mas caro é para pegar emprestado.

2 Curtidas

Além da cartelização bancária no Brasil.

1 Curtida

Esse é o motivo da inflação estrutural e psicológica que temos no país. O nível de poupança também significa o poder do dinheiro como reserva de valor e quão rápido as pessoas desejam converter isso em bens físicos para se livrar do mesmo. A hiperinflação é o resultado desse fluxo quando se torna extremo.

Sobre bancos, quem estiver pesquisando, um link muito útil com informações que as vezes não encontramos nem no RI:

https://www3.bcb.gov.br/ifdata/

6 Curtidas

Mais uma notícia ruim para os bancões.

Hoje, os serviços de cobrança e arrecadação estão concentrados nas grandes instituições financeiras. A atividade gerou receita combinada de R$ 8,9 bilhões para Itaú Unibanco, Banco do Brasil (BB), Bradesco, Caixa e Santander entre janeiro e setembro de 2019.

1 Curtida

Pagar conta em agência não gera RGO, na vdd diminui. Leia-se serviço de cobrança como emissão de boletos e produtos relacionados, isso sim é serviço, isso sim gera resultado.
Se pagasse tanta conta desse retorno, os bancos estariam abrindo ao invés de fechando agências.
Tal medida é irrelevante para os " bancões".

1 Curtida

Pelo que entendi, não tem a ver com agências físicas, e sim com o serviço de receber o pagamento, independente do meio.

Os serviços de cobrança e arrecadação representaram 8,3% da receita total de prestação de serviços dos cinco maiores bancos do país entre janeiro e setembro do ano passado.

2 Curtidas

Não importa o que as Startups inventem, os bancões sempre terão dinheiro, influencia, poder para fazer igual ou melhor. Se não conseguirem, simplesmente compram a idéia com a empresa toda junto. rsrs

3 Curtidas

Fato é, esse ano em relação ao índice o setor está tendendo a ser underperform. Já até arrependi de ter comprado bbas pela pura questão de custo de oportunidade, próximo trimestre provável que venda.

Exato…não é atoa que os bancões seguem firme e fortes nos EUA, mesmo após o crash subprime onde decorreram novas implementações regulatórias no setor e com a ascensão das fintechs/bancos digitais.

Entretanto concordo com oq o colega acima disse, o setor vai underperformar o Ibov, todavia continuam excelentes pagadoras de dividendos, posto isso, não me incomoda em mante-las no meu portifolio…só nao aumentarei posição.

2 Curtidas

Tá cheio de gente Long Ibov, Short Bancos. Eu não tenho coragem, se der uma merda geral inverte.

1 Curtida

É difícil dizer se uma ação vai subir ou descer, mas se a gente esquecer um pouco o ruído do mercado, vamos ver que 3/4 das ações subiram bastante, algumas estão com múltiplos historicamente altos, já projetando forte crescimento para o curto e médio prazo. Não há muita margem para erro num ambiente assim. Do outro lado, o setor bancário, que é uma grande parte do Ibovespa, está apresentando bons resultados, bom crescimento, mas está sendo mal visto por causa de idéias que de tão repetidas parecem como certas. Imagino que até os executivos dos bancos acabam sendo afetados por isso. Mas eu acho que o mercado está cego, não consegue ver os fatos, então só ouve o burburinho.

4 Curtidas

Também acho que os bancões não vão quebrar ou deixar de existir, como já comentei acima, contudo, num bull market tão pujante, acho o custo de oportunidade elevado.

Prefiro ficar fora por enquanto e, eventualmente, voltar no futuro com o cenário do setor mais claro.

Pra quem busca uma carteira mais previdenciária e pagadora de dividendos, que não é o meu caso, ainda vejo ITSA como uma opção interessante.